Seguidores

27 de jun de 2013

Recall de candidatos eleitos. Não gostou do produto, devolve. Que tal?



Foi o que Joaquim Barbosa defendeu como proposta da reforma política. Quem votou tem a possibilidade de voltar às urnas, e anular seu voto, revogá-lo, e assim forçará novas eleições. Foi eleito? Tem a responsabilidade de cumprir o que prometeu e representar a população. Não se saiu bem, dançou. 


Confesso que pensei vários pontos que poderiam ser modificados na reforma política. Inclusive postei sobre isso no artigo abaixo:


Inclusive, no blog do Ródrio ele publicou o artigo Reforma: 13 sugestões para a promoção das mudanças no Brasil. Que trata de outras bem interessantes. Mas essa do Joaquim foi fenomenal. Não é algo novo, mas aqui no Brasil não ocorre. Força ao político uma atuação impecável. Senão ele é demitido pelo povo. 

Como funciona? Pelo voto Distrital

Esse tipo de eleição é adotado na Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, Itália e França. É aplicado para o legislativo, ou seja, vereador, deputado estadual, federal e senador. Funciona como um sistema eleitoral de maioria simples ou absoluta (logo, o quociente eleitoral já era aí. Se não souber o que é, no link do meu artigo, acima, explica o que é). 

Imagine uma eleição para vereador. A cidade é dividia por distritos eleitorais. Não necessariamente são bairros, porque alguns bairros tem um número consideravelmente maior que outros, então ele mesmo pode ser dividido em 2 distritos, por exemplo.  Haverá UM candidato de cada partido naquele distrito, e a população escolhe em qual quer votar. 

O vídeo abaixo explica bem direitinho como funciona:


Aproximação Eleitor x Eleito

O candidato atua naquele distrito, conhece suas necessidades, você lembra em quem votou, ele lembra quem votou nele, e assim diminui os custos da eleição dele (porque não precisa ficar percorrendo toda a cidade, ou todo o Estado, dependendo do cargo, para conseguir votos, tornando possível o financiamento público de campanha, também falado no link do meu artigo) e ainda torna possível o recall. 
Você tem o candidato ou eleito ao seu alcance, para cobrá-lo. Inclusive, mais chance de conscientizar as pessoas que moram no distrito. 

O político não lhe representa? Vota de novo.

O cara ficou metido em corrupção, mostrou que desconhece as necessidades da população, não tá nem aí? Convoca uma nova eleição só para aquele distrito e "demite" o eleito. O povo é o patrão, o povo é quem manda.