Seguidores

21 de jan de 2012

Dia Mundial da Religião - Homenagens ou Protestos?

    Hoje é dia mundial da religião, criado com o objetivo de promover a união de    todas as religiões existentes no mundo. A religião foi palco de muitas glórias e muitas tragédias. Várias uniões e separações. Paz e guerra, Como hoje ela é vista pela sociedade? Para  ela (sociedade) hoje é um dia de homenagens ou protestos? Hoje é dia de homenagear paz, amor e respeito. Protestar contra radicalismo e intolerância.

De acordo com o site Brasil Escola, essa comemoração surgiu a partir de 1949, através da assembléia nacional espiritual. E dentre as principais religiões do mundo, temos o Hinduísmo, Budismo, Islamismo e Cristianismo (e aí temos ramificados católicos, protestantes, espíritas). Mas não pretendo discutir aqui de que se trata cada religião. Mas sim refletir aqui com vocês o papel de cada uma e a sua história.

A começar pela perseguição com cada religião. De acordo com a Wikipedia, o cristianismo na Antiguidade foi perseguido pelo judaísmo e o paganismo. Na idade média de moderna, tivemos o anti-semitismo, com a perseguição contra os judeus. Na idade contemporânea, o holocausto. Ainda coloca-se ai perseguição dos Estados Unidos contra os mórmons, inquisição, caça as bruxas, islamofobia e por ai vai.

A questão de ser dia de homenagem ou protesto, trata-se de cada pessoa. E não se são dignas de homenagens ou protestos. Cada religião tem uma linha filosófica, tem uma espécie de guia de como viver. Mas infelizmente há os radicais, que são a favor da censura e contra a liberdade de expressão religiosa e ateísta. Hoje eu bato palmas para o amor, para a força de vontade, seja encontrada na razão ateísta, ou na fé religiosa. Hoje eu bato palmas para a união, para a amizade, para um mundo melhor, que deve ser a raiz de cada religião.

Mas hoje eu não só bato palmas, eu protesto contra a censura, falta de liberdade religiosa, falcatruas, desigualdades, lavagem cerebral, verdade absoluta, radicalismos e violência, agressão contra ideais, e escândalos religiosos. Que possamos agir com o cérebro e nos guiar pelo coração, em vez de sermos hipócritas, querendo ser melhor ou superior, independente de sermos católicos, protestantes, ateus, budistas, wiccanianos ou qualquer outra religião (ou ausência dela).

Não importa para mim como surgiu a vida. O que me importa é nosso destino não seja trágico na busca e conflitos de nossas origens.