Seguidores

27 de fev de 2012

Argumentar, convencer e persuadir

"Argumentar é, em última análise, a arte de, gerenciando informação, convencer o outro no plano das idéias e de, gerenciando relacionamento, persuadi-lo, no plano das emoções, a fazer alguma coisa que nós desejamos que ele faça." Portanto, argumentar, convencer e persuadir são termos diferentes, autônomos, mas intimamente relacionamentos. 








O trecho em aspas foi retirado do livro de Antônio Suárez Abreu, "A Arte de Argumentar - Gerenciando informação e relacionamento". Considero que um livro seja bom, quando, mesmo quando passam como leitura obrigatória para avaliação posterior, o usamos como forma de lazer, descontração. E é isso é altamente prazeroso de ler, independente de quem estude argumentação jurídica, ou quem é de qualquer outra área. Indico a todos que mantem relacionamentos com outras pessoas, ou seja, indico a todos vocês. 

Para quem não está habituado com o assunto, argumentação, sofismo, pode ser considerado como "enrolação", usar argumentos falsos para se dar bem. Convencer e persuadir, para eles, é a mesma coisa. Mas argumentar nada mais é a arte de convencer e persuadir. Convencer, é "com vencer", "vencer com", "vencer junto", ou seja, é fazer o outro acreditar em seus pensamentos, por meio da razão, demonstrando, provando, gerenciando informação. Quem "vence", submetendo a sua verdade para outros, de maneira forçada, não convence. 

E persuadir é, gerenciando relação, fazer com que o outro faça algo que queremos que ele faça, usando o campo da emoção, motivando aquela pessoa. Se eu convenço a alguém que fumar faz mal a saúde e ele continua fumando, não o persuadi. Se faço com que alguém vá se consultar em uma cartomante, mas esse alguém não acredita nela, eu o persuadi, mas não o convenci. 

Mas se eu faço com que um profissional acredite que é necessária uma greve para melhorar suas condições de vida, e ele se motiva a executá-la, e a faz, então o convenci e o persuadi, por meio da argumentação. Isso é essencial a todos. 

Na próxima vez que você bater de frente com alguém, ficar furioso, querer vencer no grito, ou ser vencido assim, pense nisso. Só somos submetidos por alguém que permitimos ser, porque mostramos aquela pessoa que pode submeter suas idéias sobre as nossas. Fica a dica.